Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 31/08/2017

Brasília, 31 de agosto de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: No último dia do mês, mercados operaram sem grandes destaques, com queda moderada na bolsa, no câmbio e nos juros. Investidores de todos os segmentos ignoraram a não conclusão da votação das novas metas fiscais de 2017 e 2018. Em Nova York, as taxas caíram em meio a dados de inflação mais fraca.

Bolsa: No último dia do mês, o Ibovespa teve mais uma sessão de correção que não comprometeu o resultado acumulado de agosto. O índice oscilou ao longo do dia e terminou em baixa de 0,07%, aos 70.835 pontos. No mês, o ganho acumulado foi de 7,46%, maior percentual mensal do ano. Considerando os poucos riscos que o cenário interno e externo devem apresentar no curto prazo, a tendência para a bolsa no mês de setembro segue altista.
Juros: No mercado de juros futuros os vencimentos de longo prazo encerraram o dia em queda, ao passo que os demais prazos encerraram perto dos ajustes anteriores. O comportamento foi pautado basicamente por questões técnicas, com investidores ignorando as notícias em torno da votação das mudanças das metas fiscais. O DI Jan/19 encerrou o dia em 7,76%, estável ante o ajuste de ontem. O DI Jan/21 saiu de 9,27% para 9,18%.
Dólar: O dólar operou em baixa no dia atrelado ao movimento da moeda no exterior. Pela manhã, pesou a formação da Ptax de agosto, enquanto à tarde prevaleceu o movimento de queda em reação à fala do secretário do Tesouro dos EUA que disse que "ter um dólar mais fraco é, de alguma forma, melhor para o comércio do país. A divisa norte-americana encerrou o dia em baixa de 0,35%, valendo R$ 3,14.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.