Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 31/03/2017

Brasília, 31 de março de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Conduzidas por uma semana de indicadores fracos no ambiente interno e pela perspectiva de um aperto mais agressivo do que o esperado pelo Fed (Banco Central Norte-americano) os mercados de câmbio, bolsa e juros mosrtaram fraco desempenho no fechamento da semana. O IBC-Br (índice de atividade econômica do Banco Central), referente ao mês de janeiro, registrou baixa de 0,26% ante dezembro, evidenciando que, a despeito da melhora na confiança dos agentes, o PIB deste ano pode ser próximo de zero. Dados do desemprego, divulgados hoje pelo IBGE, mostraram taxa de desocupação em 13,2% no trimestre encerrado em fevereiro.

Bolsa: A bolsa brasileira operou com volume de negócios reduzido nessa sexta-feira. O noticiário menos intenso levou investidores a voltarem suas atenções para os resultados dos indicadores divulgados no dia (IBC-Br, desemprego e resultado do setor público. O papeis da Petrobras e do setor elétrico apresentaram desempenho positivo, mas as ações da Vale e do setor financeiro puxaram o Ibovespa para baixo, levando-o a encerrar o dia em baixa de 0,43%, aos 64.984 pontos. O índice encerrou o mês de março em queda de 2,52%, porém, o trimestre ficou positivo em 7,9%.
Juros: O mercado de juros futuros seguiu o comportamento do câmbio. Os indicadores divulgados ficaram dentro do resultado esperado, não exercendo grande influência sobre os negócios. O giro do dia foi mais contido, e no encerramento, o DI Jan/18 registrava taxa de 9,87%, de 9,88% no fechamento anterior. O DI Jan/21 ficou estável em 9,88%.
Dolar: O mercado de câmbio foi influenciado pela definição da Ptax. O dólar à vista encerrou com queda de 0,56%, a R$ 3,12, após oscilar entre a mínima de R$ 3,12 e a máxima de R$ 3,17.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.