Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 28/09/2017

Brasília, 28 de setembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Cenário externo teve como destaque a falta de detalhamento do novo plano tributário dos EUA, que provocou um movimento de correção nos mercados internacionais. No ambiente doméstico, noticiário fraco e a divulgação do resultado do governo central em agosto, que mostrou déficit primário de R$ 9,59 bilhões.

Bolsa: A bolsa teve mais um pregão de queda e analistas acreditam que o índice buscará os 72 mil pontos como o próximo suporte gráfico. Sem a reforma da Previdência no radar, investidores avaliam com cautela os próximos passos, já que não há muito o que se esperar para esse ano e 2018 será um ano eleitoral ainda com muitas incógnitas. O Ibovespa encerrou o dia em baixa de 0,31%, aos 73.567 pontos.
Juros: Os juros futuros fecharam a sessão regular desta quinta-feira perto dos ajustes anteriores, com viés de baixa. Após encerrarem a manhã com ligeiro sinal de alta, as taxas tiveram alívio à tarde, depois que o dólar acelerou a queda e que os rendimentos dos Treasuries zeraram o avanço. O DI Jan/19 fechou em 7,29%, de 7,32% no ajuste de ontem. O DI Jan/21 passou de 8,84% para 8,83%.
Dólar: A moeda norte-americana seguiu o comportamento visto no exterior, devolvendo nesta tarde parte dos ganhos obtidos nos últimos dias. A oferta global cresceu com o desconforto dos investidores em virtude da falta de detalhes sobre o plano de reforma tributária nos EUA. O dólar encerrou o dia com queda de 0,27%, valendo R$3,18.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.