Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 27/04/2017

Brasília, 27 de abril de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Os negócios locais forma influenciados pela expectativa dos investidores com as manifestações previstas para amanhã e segunda-feira. O movimento de aversão ao risco prevaleceu, dando suporte à queda da bolsa e valorização do dólar ante o real. No mercado internacional, as incertezas sobre o andamento das pautas do governo americano e a baixa do petróleo contribuíram para um menor apetite ao risco.

Bolsa:  Alguns fatores influenciaram a Bovespa no dia: resultados corporativos, oscilações internacionais e cenário político doméstico contribuíram para o comportamento do mercado de renda variável. O contraponto ficou por conta das ações do setor financeiro, que operaram em alta, limitando as perdas provocadas por outras ações, sobretudo Vale, Petrobras e Usiminas. O Ibovespa encerrou o dia em queda de 0,29%, aos 64.676,55 pontos.
Juros:  Os juros futuros operaram sem tendência definida, encerrando o pregão próximo à estabilidade. As taxas iniciaram o dia em baixa, refletindo a aprovação da reforma trabalhista, no entanto, as incertezas quanto ao real apoio ao presidente pressionaram os vencimentos, mudando a tendência ao longo do dia. O DI Jan/18 fechou o dia em 9,50%, de 9,51%. O DI Jan/21 passou de 10,07% para 10,09%.
Dólar:  O mercado de câmbio operou com volatilidade em reflexo às incertezas no cenário externo e aos movimentos grevistas agendados para os próximos dias. O dólar à vista fechou o dia em alta de 0,24%, valendo R$ 3,18, maior patamar de fechamento desde 9 de março. Nas últimas três sessões, a divisa norte-americana acumulou alta de 1,76%.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.