Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 26/12/2017

Brasília, 26 de dezembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Movimento fraco no mercado doméstico com noticiário esvaziado e cenário internacional operando com baixo volume de negócios. A alta das commodities, impulsionada sobretudo pela notícia da explosão de um oleoduto da Líbia, contribuíram para o dia positivo na bolsa doméstica, ao passo que o temor de um downgrade pela S&P seguiu como fator de ponderação dos investidores.

Bolsa: A bolsa registrou sua quarta alta consecutiva, em um pregão marcado pelo baixo volume de negócios. A alta das commodities, notadamente do petróleo, contribuiu para valorização das ações da Petrobras, motivando o fechamento do índice em alta de 0,69%, aos 75.707 pontos.
Juros: As taxas dos principais dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) encerraram em queda a sessão desta terça-feira de baixa liquidez. Mesmo surpreendendo positivamente, o bom resultado fiscal do governo central em novembro não chegou a influenciar os negócios, segundo dois operadores do mercado de renda fixa. O DI Jan/19 encerrou o dia em 6,87%, ante 6,91% da véspera.O DI Jan/21 ficou em 8,11%, de 9,21% no ajuste de sexta-feira.
Dólar: O dólar manteve-se em queda ante o real durante toda a sessão desta terça-feira de baixa liquidez após o Natal, marcada pelo maior apetite ao risco com a alta do petróleo no mercado internacional. O movimento ocorreu apesar da cautela quanto à possibilidade de uma eventual decisão da S&P Global Ratings em relação à nota de crédito do Brasil nesta semana. A moeda americana à vista terminou a sessão no patamar de R$ 3,31, após ter fechado a R$ 3,3386 na última sexta-feira, no maior patamar desde 23 de junho.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.