Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 26/10/2017

Brasília, 26 de outubro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Movimentos do Banco Central Europeu (BCE) de redução de estímulos e fortes especulações em relação ao comando do Federal Reserve Norte Americano desviaram o foco dos investidores internacionais de mercados emergentes desencadeando forte alta do dólar. A aprovação do Orçamento dos Estados Unidos e a expectativa de uma reforma tributária neste pais aumenta a distância entre a BOVESPA e Wall Street.

Bolsa: Com os diversos acontecimentos em mercados internacionais a bolsa doméstica mostra sua dificuldade em atrair investidores estrangeiros sem disposição de assumir posições de renda variável. Apesar da abertura em alta com o resultado de hoje, o Ibovespa passa a contabilizar queda de 0,65% na semana e alta de 2,16% em outubro. O resultado do dia foi baixa de 1,01%.
Juros: Em um dia onde, mesmo com a vitória do presidente Temer na câmara, o mercado esteve voltado aos movimentos internacionais os juros aumentaram a alta no final da tarde com destaque para contratos de longo prazo em um dia ruim para mercados emergentes. A decisão do COPOM de cortar os juros para 7,5% e a sinalização da queda do rítmo de redução da SELIC já eram esperados reforçando as apostas de um corte de 0,5% nas próximas reuniões.
Dólar: Maiores indícios de sucessão do FED na linha de troca da atual dirigente por um novo nome e a decisão do BCE de redução dos programa de flexibilização em um nivel menor do que o esperado pelo mercado aumentou ainda mais a valorização do dólar frente ao euro tendo a moeda chegado ao maior nível dos últimos três meses 3,28, gerando o movimento técnico de stop loss. No mercado à vista, o dólar fechou em alta de 1,42%, aos R$ 3,2845, maior nível desde 6 de julho. No mercado futuro, o dólar para novembro avançou 1,75%, aos R$ 3,2920.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.