Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 26/03/2019

Brasília, 26 de março de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário:

Em um dia bastante agitado no mercado financeiro a bolsa caminhou positivamente puxada pela valorização de commodities no mercado internacional ao mesmo tempo que o acirramento entre governo, sua equipe técnica e o congresso nacional acirrou-se, com a ausência do ministro da economia Paulo Guedes na CCJ, o que puxou os juros e a moeda americana para cima.

Bolsa: O setor de commodities vem quebrando as quedas sucessivas que ocorreram na bolsa ao longo dos últimos pregões (o índice perdeu 6% em 5 dias). A Petrobras teve um ganho hoje de 4,18% nas ações preferenciais teve 20% do volume total de negócios da bolsa. Essa alta nos preços internacionais que refletiram na petroleira nacional além da valorização da vale em 1,47%. A característica dessa valorização da bolsa demonstra mais uma oportunidade diante das valorizações do que ações ou movimentos domésticos ou internacionais. A bolsa fechou o dia em valorização de 1,76% aos 95.306 pontos.
Juros:  Foi claro o recado dado pelo mercado financeiro ao setor político nacional com a ausência de Paulo Guedes na CCJ. As taxas seguiam em leve baixa no início do pregão e essa tendência permanecia ao longo do dia até esse "descarrilamento". A taxa do DI 20 fechou em 6,465%, de 6,450% de ontem e o 23, que reflete a expectativa de longo prazo subiu de 8,172 para 8,240%.
Dólar: Seguindo a linha de estresse do mercado quanto ao andamento das reformas, a ausência do ministro da economia de forma abrupta com a explicação de ainda não haver escolhido o relator das emendas na CCJ, fez o câmbio bater a máxima do dia de R$ 3,87 e fechar muito próximo desse valor em R$ 3,8675, alta de 0,29%. O que se vislumbra é que o governo terá ainda muita dificuldade para articular a reforma e que isso refletirá fortemente nos próximos anos de governo.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.