Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 25/04/2018

Brasília, 25 de abril de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Os mercados domésticos foram influenciados no dia basicamente pela reprecificação dos juros nos Estados Unidos e pela piora de percepção em relação ao cenário eleitoral. Os juros dos Treasuries voltaram a avançar e o T-note de 10 anos superou a marca psicológica de 3%. Internamente, a decisão do STF de retirar das mãos do juiz Sérgio Moro trechos da delação da Odebrecht que envolvem o ex-presidente Lula nos processos do Sítio de Atibaia e do Instituto Lula ampliou incertezas do quadro eleitoral.

Bolsa: A bolsa viveu mais um dia de perdas penalizada pela cautela generalizada nos mercados acionários internacionais e também pelas incertezas no front eleitoral. As perdas foram conduzidas principalmente pelos papeis da Petrobras que cederam na esteira da desvalorização dos contratos futuros de petróleo. O índice encerrou o dia em baixa de 0,50%, aos 85.044 pontos.
Juros: Os juros futuros iniciaram o dia em forte alta mas reduziram o ritmo acompanhando o arrefecimento do dólar nos mercados à vista e futuro. O contrato de DI Jan/27 chegou a avançar 18 pontos-base na maior taxa do dia em relação ao ajuste de ontem. O DI Jan/19 encerrou a sessão regular a 6,25%, ante 6,22% no fechamento anterior. O DI Jan/21 saiu de 7,94% para 7,97% no fechamento.
Dolar: O dólar teve sua quinta sessão seguida de alta chegando a superar os R$ 3,51 ao longo do dia, com grande giro no mercado futuro decorrente da busca de hedge cambial. O principal catalisador continua sendo o novo avanço do juro da T-Note de 10 anos acima dos 3% ao ano. A demanda pelos títulos americanos vem amparada em perspectivas de elevação da inflação nos EUA. A divisa americana encerrou o dia em alta de 0,45%, valendo R$ 3,48.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.