Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 22/12/2017

Brasília, 22 de dezembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: O pregão de véspera de Natal fez jus às expectativas de baixo volume de negócios e variações modestas na maioria dos negócios, tanto no mercado local quanto em Nova York. Ante esse quadro, o câmbio doméstico se destacou com o dólar se valorizando 0,85% e fechando a R$ 3,3386, maio patamar desde 23 de junho. Com o noticiário vazio, os agentes operaram ajustes e remessas ao exterior.

Bolsa: A escassez de indicadores e notícias relevantes garantiu um pregão morno para o mercado de ações, que oscilou majoritariamente no terreno negativo nesta sexta-feira. O desempenho das bolsas de Nova York e o noticiário corporativo estiveram entre as poucas referências do dia, mas sem grandes interferências nas oscilações do Índice Bovespa, que acabou por fechar com leve alta, de 0,07%, aos 75.186,53 pontos.
Juros: Os juros futuros encerraram praticamente estáveis o último pregão da semana, com liquidez reduzida por conta da proximidade do feriado de Natal e sem indicadores de peso para o segmento. A sessão transcorreu sem sobressaltos diante de um noticiário vazio de surpresas. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou em 6,91% (mínima), de 6,92% no ajuste de ontem e o DI Jan/241 permaneceu estável.
Dólar: A despeito do cenário externo tranquilo, o dólar subiu com força ante o real nesta sexta-feira, em um dia de poucos negócios por causa da proximidade com o Natal. Sem novidades que pudessem ditar o rumo dos negócios, a cautela doméstica predominou e a moeda americana à vista terminou em alta de 0,85%, a R$ 3,3386, maior patamar desde 23 de junho (R$ 3,3409). Na semana, acumulou ganho de 0,85%.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.