Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 22/03/2017

Brasília, 22 de março de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Clima de cautela nos mercados em virtude de do ataque terrorista em Londres e da iminente votação do projeto de reforma da saúde do presidente americano, Donald Trump. Internamente, a expectativa quanto à divulgação do corte no Orçamento de 2017 e das notícias sobre aumento de impostos.

Bolsa: A bolsa iniciou um movimento de retomada e chegou a subir 1,22% até o início da tarde, porém, o sentimento de cautela foi maior e o índice encerrou o dia em alta de 0,86%, aos 63.521 pontos. Pesou ainda, a decisão do governo Michel Temer de retirar da proposta da reforma da Previdência os servidores públicos estaduais e municipais. Com o resultado de hoje, o Ibovespa passa a contabilizar queda de 4,71% em março, mas ainda sustenta alta de 5,47% em 2017.
Juros: Os DIs exibiram alta, sobretudo nos vencimento de médio e longo prazos. Investidores operaram na expectativa da divulgação do relatório bimestral de receitas e despesas. O resultado do IPCA-15 veio em linha com o esperado (0,15%) e a decisão de Temer sobre a reforma da Previdência foi sendo digerida pelo mercado ao longo da sessão. No fechamento, o DI Jan/18 encerrou perto da estabilidade. O DI Jan/21 encerrou a 9,99% de 9,92%.
Dolar: O dólar encerrou em alta ante o real refletindo uma nova queda do petróleo, a votação do projeto de reforma da saúde de Trump, o ataque em Londres e a decisão de Temer sobre a reforma da Previdência. A divisa encerrou o dia em alta de 0,28%, valendo R$ 3,09.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.