Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 20/02/2018

Brasília, 20 de fevereiro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: No dia seguinte ao anúncio do engavetamento da reforma da Previdência e do pacote de 15 medidas para melhorar as contas públicas o mercado doméstico foi monitorado por analistas que aguardam posicionamento das agências de rating sobre mais rebaixamentos da nota de crédito do país. No ambiente internacional, as bolsas de Nova York realizaram lucro após seis sessões consecutivas de alta em Wall Street.

Bolsa: A bolsa brasileira teve um dia positivo com investidores estrangeiros executando ordens pontuais de compra de ações brasileiras para recomposição de carteira. A alta da bolsa constrastou com a perspectiva de um novo rebaixamento da nota de crédito do Brasil, após tramitação das mudanças nas regras da Previdência no Congresso. O Ibovespa encerrou o dia em alta de 1,19%, aos 85.803 pontos.
Juros: O comportamento dos DIs destoou do desempenho negativo do dólar no dia. As boas perspectivas são o motivo aparente para o cenário de inflação e Selic nos próximos meses. A agenda de indicadores hoje não teve destaques e as medidas anunciadas pelo governo foram recebidas com neutralidade. O DI Jan/19 fechou em 6,57%, de 6,59% no fechamento anterior. O DI Jan/21 terminou na mínima, a 8,57%, de 8,63% ontem.
Dólar: A moeda norte-americana teve seu comportamento atrelado à valorização da divisa no cenário internacional. Investidores também operaram com cautela em meio ao engavetamento da reforma da Previdência pelo governo Michel Temer e à possibilidade de rebaixamento da nota de crédito do país pelas agências de rating. O dólar encerrou o dia em alta de 0,76%, valendo R$ 3,25.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.