Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 15/12/2017

Brasília, 15 de dezembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: A retomada da expectativa de aprovação da reforma tributária nos Estados Unidos foi o fio condutor da recuperação dos ativos de risco tanto no exterior como no mercado local. Desfeita a incerteza com alguns votos republicanos sobre a questão, as bolsas em Nova York mostraram valorização, enquanto fatores conjunturais como o Brexit e questões política na Alemanha e na Itália colocaram os índices acionários na Europa em direções divergentes.

Bolsa: A bolsa brasileira operou sem referência nessa sexta-feira, oscilando ao lingo de todo o dia. Com a reforma da Previdência formalmente adiada, o mercado buscou recompor parte das perdas dos últimos pregões, seguindo a influência positiva das bolsas de Nova York. O Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,25%, aos 72.607 pontos.
Juros: Após digerir a constatação de que a reforma da Previdência não será votada este ano, o mercado de juros teve a pressão reduzida nesta sexta-feira, com taxas majoritariamente em baixa, com exceção dos contratos de curto prazo, que rondaram a estabilidade. O movimento não decorreu de nada novo no noticiário político, mas sim do comportamento benigno do dólar e do clima ameno no exterior. Sem muitos parâmetros para orientar os negócios, o volume de contratos foi menor do que nos últimos dias. O DI Jan/19 encerrou no mesmo patamar do ajuste de ontem, a 6,94%. O DI Jan/21 caiu de 9,34% para 9,30%.
Dólar: O dólar, que operou no terreno negativo durante boa parte da sessão desta sexta-feira, acelerou as perdas depois do discurso pró-reforma do presidente Michel Temer nesta tarde. Durante a posse de Carlos Marun na Secretaria de Governo, o presidente disse que o adiamento da votação da pauta da Previdência para 19 de fevereiro foi "ótimo", pois os deputados vão perceber em suas bases que não há "oposição feroz" ao tema. A declaração agradou os investidores, e o dólar à vista chegou a recuar 0,94% para a mínima do dia. No encerramento, a divisa fechou com queda de 0,87%, a R$ 3,3071, arrefecendo a alta acumulada na primeira metade de dezembro de 1,13%.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.