Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 15/01/2019

Brasília, 15 de janeiro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Os mercados operaram durante o dia na expectativa do desfecho do BREXIT que, como esperado, foi rejeitado, e na declaração do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, de que o desenvolvimento econômico na região tem ficado aquém do esperado. Logo pela manhã, balanços decepcionantes na Europa e EUA reforçaram a percepção de desaceleração da economia mundial. No Brasil, a falta de novidades concretas sobre a mudança nas regras de aposentadoria completaram os eventos negativos para os ativos financeiros domésticos.

Bolsa: Apesar da piora dos mercados financeiros internacionais e do patamar elevado do Ibovespa depois de valorização de 7,02% nos últimos 10 pregões (que proporciona realização de lucros e por consequência venda de ações pelos investidores) o índice acionário paulista conseguiu sustentar a marca dos 94 mil pontos. O índice acionário local recuou 0,44% no dia e encerrou aos 94.055 pontos.
Juros: A confirmação de que a decisão da reforma da previdência aguardará o retorno de Bolsonaro de Davos e o perspectiva de rejeição do Brexit, que se confirmou ao final do dia, serviram de motivo para que os juros futuros encerrassem em alta ao longo de toda a curva. Desse modo, o DI para janeiro 2020 fechou em 6,61%, ante 6,57 do dia anterior e o DI 2021 fechou 7,45% frente aos 7,37% também do dia anterior.
Dólar: Com a instabilidade do mercado externo, principalmente da zona do euro, e a falta de informações concretas sobre a reforma da previdência fizeram o dólar ganhar força fechando em R$ 3,729, alta de 0,7619%.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.