Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado -12/04/2018

Brasília, 12 de abril de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Dados do varejo no mercado doméstico vieram abaixo do esperado e reforçaram a percepção de que o processo de retomada da economia está ainda mais lento e ratificaram as apostas em uma nova redução da taxa Selic, de 0,25pp, na próxima reunião do Copom. No cenário internacional, a sinalização do presidente Donald Trump de que uma ofensiva à Síria não necessariamente é iminente acalmou os ânimos dos investidores.

Bolsa: O fôlego foi reduzido para a Bovespa no dia. Após acumular alta de mais de 2% nos dois últimos pregões, a bolsa doméstica subiu, porém não conseguiu acompanhar o ritmo de alta de seus pares internacionais. A agenda doméstica fraca e os dados das vendas no varejo abaixo do esperado contribuíram para limitar o movimento de alta. O Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,23%, aos 85.443 pontos.
Juros: Os DIs mantiveram o movimento de queda observado desde o início da sessão e tiveram um dia de baixa. Nem a alta do dólar foi capza de interromper essa trajetória. O principal motivo do descolamento entre os juros futuros e o dólar foi visto por analistas como "somatório dos fundamentos econômicos", já que os juros continuam ancorados na conjuntura de inflação baixa e atividade crescendo vagarosamente. O DI Jan/19 fechou em 6,23%. O DI Jan/21 encerrou em 8,02%.
Dolar: O mercado de câmbio teve um dia volátil, com um giro de negócios mais fraco em relação aos últimos dias. O fortalecimento do dólar foi puxado sobretudo pelo exterior, diante dos conflitos geopolíticos existentes. No entanto, investidores seguem avaliando o embate político no ambiente doméstico. O dólar encerrou o dia em alta de 0,70%, valendo R$ 3,40.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.