Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 10/04/2017

Brasília, 10 de abril de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Semana teve início com volume de negócios reduzido no mercado doméstico, em parte, refletindo a cautela por uma semana mais curta (com feriado na sexta-feira) e as tensões geopolíticas no ambiente internacional. A semana contará com decisão do Copom (expectativa de redução da taxa em 1,0 ponto percentual) e, ainda, as articulações em torno da reforma da Previdência.

Bolsa:  A Bovespa operou com volume de negócios reduzido e alternou entre altas e baixas ao longo do dia. As ações da Vale estiveram entre os destaques de baixa, seguindo o comportamento do minério de ferro no mercado internacional. No foco dos investidores seguem as articulações em torno da reforma da Previdência e o monitoramento das tensões envolvendo EUA e a Síria. O Ibovespa encerrou o dia com leve alta de 0,09%, aos 64.649 pontos.
Juros:  Semana imporante para os juros em função da reunião do Copom que ocorre terça e quarta-feira. As apostas concentram-se em uma redução da Selic em torno de 1,0 ponto percentual. Na pesquisa Focus dessa semana, destaque para a queda da mediana das projeções para o IPCA de 2018 para abaixo da meta central de inflação de 4,5%, após 36 semanas consecutivas sem alteração. O DI Jan/18 encerrou o dia em 9,67%, de 9,77% do fechamento anterior. O DI Jan/21 saiu de 9,93%, para 9,81%.
Dólar:  O dólar caiu ante o real amparado na expectativa de que o governo segue bem nas negociações em torno da reforma da Previdência. A avaliação dos investidores é de que as articulações feitas até o momento tendem a levar a uma aprovação da proposta em patamares razoáveis. O dólar à vista encerrou o dia em queda de 0,33%, valendo R$ 3,13.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.