Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 07/06/2017

Brasília, 07 de junho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: Mercados tiveram um dia de fraco movimento enquanto investidores aguardam o resultado do julgamento da chapa Dilma-Temer. No cenário internacional, os movimentos foram influenciados pela queda do petróleo, após relatório nos EUA apontar aumento de estoques no país, contrariando previsão de queda.

Bolsa: Assim como nos demais mercados, os investidores operaram com cautela no aguardo de maiores definições quanto ao julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE. A visão dos players é de que a possibilidade de o TSE optar pela não cassação da chapa segue forte e a permanência do presidente da República no cargo favoreceria o andamento das reformas Trabalhistas e da Previdência. O embasamento, no entanto, é frágil, e tende a interferir no comportamento da bolsa doméstica. O Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,34%, aos 63.170 pontos.
Juros: Os DIs iniciaram o dia em baixa com o mercado reagindo à aprovação da reforma trabalhista ontem à noite na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Contudo, ao longo do dia, em função dos eventos e indicadores esperados até o fim da semana, os investidores optaram pela cautela e as taxas acabaram encerrando o dia próximo aos ajustes anteriores. O DI Jan/21 passou de 10,45% para 10,47%.
Dólar: Ainda em compasso de espera pelo desfecho do julgamento da ação contra a chapa Dilma-Temer pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a divisa norte-americana oscilou ao longo do dia, com fraco volume de negócios. O avanço da reforma Trabalhista também esteve no radar dos investidores, porém sem força para valorizar a moeda doméstica. O dólar encerrou o dia em queda de 0,09%, valendo R$ 3,27.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.