Boletim de Fechamento

Fechamento de Mercado – 04/05/2017

Brasília, 04 de maio de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Fechamento dos Mercados

Resumo diário: O comportamento dos mercados foi ditado pelas incertezas relacionadas às reformas estruturais no Congresso e ao comportamento negativo das commodities no ambiente externo. Nos EUA, a aprovação do projeto da reforma da saúde do governo Trump refletiu em leve melhora das bolsas de Nova York, movimento contido pela forte queda do petróleo, que atingiu o menor nível desde novembro do ano passado. No ambiente doméstico, o governo conseguiu aprovar ontem o texto-base do parecer da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara.

Bolsa:  Queda das commodities no ambiente externo e cautela dos investidores no que se refere à trâmitação da reforma da Previdência no Congresso atribuíram viés negativo para a Bovespa no dia. As ações da Vale caíram mais de 3%, arrastando com elas os papéis do setor siderúrgico. Entre as ações que compõem o Ibovespa, as maiores baixas foram CSN ON (-6,84%) e Gerdau Metalúrgica PN (-6,43%). O índice encerrou o dia em queda de 1,86%, aos 64.862 pontos.
Juros:  O mercado de juros futuros seguiu o movimento de alta iniciado ontem diante das incertezas relacionadas ao andamento das reformas estruturais no Congresso. A maior preocupação dos investidores diz respeito ao fato do governo ter atrelado a votação da reforma no plenário da Câmara à votação, no Senado, da reforma trabalhista. O DI Jan/18 encerrou o dia em 9,44%, de 9,41% da véspera.
Dólar:  O dólar teve mais um dia de alta ante o real diante do comportamento negativo das commodities e dos receios com relação à reforma da Previdência. O dólar à vista no balcão terminou o dia em alta de 0,78%, valendo R$3,18.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.