Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 31/03/2017

Brasília, 31 de março de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: prevalece a cautela nesta abertura dos pregões mundo afora, em linha com a tendência de correção de preços que tem predominado. A queda das bolsas internacionais, commodities e valorização do dólar ante as demais divisas reforçam o viés de preocaução dos investidores.

Interno: o ambiente global cauteloso somado as dificuldades orçamentárias, as preocupações com a reforma da previdência e o iminente início do julgamento no TSE da chapa Dilma-Temer referente as eleições de 2014 são alguns dos elementos que estimulam a tensão dos operadores.

Bolsa: as pressões externas (baixa das bolsas e das commodities) e internas (preocupações com o andamento das reformas) estão no radar dos players locais. Não menos importante, o início do julgamento do TSE da chapa Dilma-Temer entrou no monitoramento dos invetidores que se mostram apreensivos com a situação política novamente. Assim, o Ibovespa deve apresentar recuo no dia.
Juros: a alta do dólar frente as demais divisas no exterior tende a pressionar o curva de juros de médio e longo prazo. Por outro lado, a parte mais curta da estrutura à termo tende a operar em queda com os investidores digerindo os recentes indicadores econômicos e o contigenciamento do Orçamento na noite de ontem.
Dolar: conjutnura externa de aversão ao risco e pressão da Ptax (cotação de fechamento dos contratos derivativos de dólar futuro) devem pesar sobre a paridade real/dólar Ademais, a rolagem parcial de swaps cambiais pelo Banco Central também tende a afetar o câmbio doméstico.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.