Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 30/04/2019

Brasília, 30 de abril de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Amparado por movimentos contidos, os investidores operam absorvendo números da indústria chinesa pior que o esperado e do lado positivo pondera o PIB da zona do euro acima das estimativas. Ademais, a expectativa de retomada das negociações comerciais entre EUA e China hoje minimizam o viés cauteloso. Por ora, bolsas europeias trabalham ligeiramente no negativo, ao passo que os futuros de bolsas de Nova Iorque operam sem direção definida. As commodities inclusive o petróleo sobem, enquanto o dólar cede ante a maioria das divisas externas.

Interno: Em véspera de feriado, a cautela deve persistir entre os investidores domésticos. Além da formação da Ptax (taxa de câmbio referencial para encerrar contratos futuros de dólar) as incertezas políticas ligadas à reforma da Previdência deixam operadores locais mais cautelosos. Na agenda, a perspectiva de elevação da taxa de desemprego para 12,8% e de previsões de alta do déficit das contas públicas de R$ 22,4 bilhões ajudam a movimentar os negócios.

Bolsa: O desempenho negativo nas praças acionárias europeias e sem rumo nos EUA conjugado com as incertezas domésticas à reforma da Previdência terá como contraponto ajuste de preços dos papéis depois de dois pregões de baixa do Ibovespa. Assim, o Ibovespa deve subir no dia.
Juros: A queda do dólar frente as moedas internacionais (tira pressão de curto prazo na inflação) e perspectiva de alta do desemprego devem prevalecer e impor viés de baixa dos juros futuros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos). Pode limitar o movimento as dúvidas quanto à reforma da Previdência.
Dólar: O ambiente externo ligeiramente propenso ao risco e formação de Ptax (taxa de câmbio referencial para encerrar contratos de dólar futuro e swaps) tendem a ajudar o real frente ao dólar. Por outro lado, perspectivas de números piores de desemprego, no país, e incertezas na reforma da Previdência podem limitar a valorização do real ante ao dólar.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.