Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 30/01/2018

Brasília, 30 de janeiro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: prossegue a correção nos mercados internacionais depois de uma longa sequência de ganhos desde do início do ano. Na agenda de indicadores, a alta de 2,5% do PIB da Zona do Euro em 2017 em linha com as estimativas ajuda a limitar o movimento de realização de lucros. Por ora, bolsas europeias e futuros de bolsa de Nova York operam em queda, enquanto as commodities agrícolas sobem. Dólar cede ante a maioria das divisas externas e petróleo cai em meio ao anúncio do Iraque de que planeja ampliar sua capacidade de exportação em 2018.

Interno: a tendência global de correção de preços deve ainda impor viés negativo para os ativos domésticos. No noticiário, o governo tenta nova e última ofensiva para aprovar a reforma da Previdência. Na agenda, a alta de 0,76% do IGP-M de janeiro, abaixo das expectativas do mercado de 0,81% e participação do presidente do Bacen, Ilan Goldfajn, em evento em seminário promovido pelo Credit Suisse são destaques no dia.

 

Bolsa: A conjuntura externa negativa tende a influenciar o Ibovespa com viés de queda do índice acionário paulista no dia.
Juros: O dólar fraco no exterior e a desaceleração do IGP-M de janeiro ajuda os DIs a trabalharem na estabilidade na sessão regular. Vale destacar também que será conhecido a pesquisa eleitoral Ipsos no decorrer do dia o que pode provocar alguma volatilidade na curva de juros futuros.
Dólar: A acomodação global do dólar deve evitar um distanciamento da cotação de R$ 3,15/USD observada ontem. No entanto, divulgação de novas pesquisas sobre a corrida eleitoral, após a condenação do ex-presidente Lula, pode amplificar a oscilação da taxa de câmbio doméstica.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.