Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 29/11/2017

Brasília, 29 de novembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados internacionais ainda reverberam a sabatina do novo presidente do Fed, Jerome Powell, no Senado dos EUA. A indicação de que Powell irá conduzir a política monetária de forma gradualista anima os investidores. Ademais, a aprovação da reforma tributária, ontem, em comitê no Senado norte-americano, com adoção de gatilho que pode alterar seus impactos expansionistas geram dúvidas quanto à aprovação no plenário. Por ora, bolsas europeias sobem e commodities caem. Dólar cede ante a maioria das divisas externas.

Interno: esperanças renovadas no que tange a chance de aprovação da reforma da Previdência empolga os investidores. A maior expectativa com o provável apoio do PSDB à reforma, mesmo desembarcando do governo, e mobilização do Planalto para viabilizar a votação corroboram o viés positivo. Vale destacar que a votação em dezembro segue incerta.

Bolsa: cenário externo positivo e esperanças de avanço da reforma da Previdência tende a impulsionar o Ibovespa.
Juros: a aceleração do IGP-M (0,52%) de novembro, dentro do intervalo das previsões dos agentes, e expectativas de avanço da reforma da Previdência ajudam a movimentar os DIs. Para o dia, espera-se estabilidade da estrutura à termo de juros.
Dólar: sabatinado pelo Senado norte-americano, o futuro presidente do Fed, Jerome Powell, não negou sua essência de que deve conduzir a política monetária com gradualismo. Esse evento ainda segue influenciando as taxas de câmbio mundo a fora e tende a impor perda do dólar frente ao real. Cabe ressaltar que pode ocorrer alguma disputa técnica antecipada visando a formação da Ptax (taxa de câmbio utilizada para contratos derivativos de dólar).

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.