Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 29/08/2019

Brasília, 29 de agosto de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Declarações conciliadoras dadas pelo Ministro do Comércio da China em relação a política de tarifas adotada pelos EUA ajudam no ânimo dos investidores internacionais nesta abertura. Na agenda, a perspectiva de alta de 2,1% do PIB dos EUA no 2T19 será o principal destaque. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e commodities sobem, ao passo que o dólar cede ante as moedas emergentes.

Interno: O clima externo positivo favorece os ativos locais, apesar do noticiário negativo vinda da Argentina, que apresentou proposta para estender o prazo de pagamentos de títulos públicos que vencem no curto prazo. No calendário, a previsão de alta de 0,2% do PIB brasileiro no 2T19 e de queda de 0,66% do IGP-M de agosto serão os destaques.

Bolsa: O bom humor dos mercados no exterior tende a impulsionar ganhos no Ibovespa depois de queda de 3,55% na semana.
Juros: A queda do dólar frente as moedas emergentes (tira pressão da inflação no curto prazo) e a previsão de queda do IGP-M devem ser ofuscados pela projeção de crescimento modesto do PIB nacional. Assim, a de curva de juros deve subir (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A melhora da conjuntura externa por conta do comunicado do Ministério do Comércio da China dizendo que Pequim e Washington continuam "em comunicação efetiva" tira a pressão de moedas emergentes. Enquanto isso, o Bacen continua realizando leilões de swap cambial no montante de US$ 550 milhões. Desse modo, espera-se que o dólar deprecie ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultore.