Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 29/06/2017

Brasília, 29 de junho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: bolsas europeias em queda e o euro em alta indicam que os mercados ainda estão operando na expectativa de reversão da política monetária na Zona do Euro mais cedo do que se esperava. Enquanto isso, as commodities agrícolas e o petróleo trabalham em alta refletindo os indicadores de confiança do velho continente que apresentaram números melhores.

Interno: aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado ontem deve ajudar um pouco os investidores locais com relação a percepção de governabilidade de Temer. Ademais, o envio da denúncia contra o presidente à Câmara pelo ministro do STF, Edson Fachin, indica que o governo possa impedir a abertura do processo já que o chefe do Executivo acredita que tem apoio no parlamento.

Bolsa: a queda das bolsas europeias, a alta das commodities e aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça do Senado devem contribuir para um viés positivo para o Ibovespa no dia.
Juros: aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, redução da meta de inflação (de 4,50% para 4,25%) para 2019, pelo Conselho Monetário Nacional e deflação do IGP-M devem empurrar a curva à termo de juros para o terreno negativo.
Dólar: em véspera de definição de Ptax (definição da taxa de câmbio para derivativos de câmbio), players dividirão as atenções com o cenário externo de apreciação do dólar ante as divisas emergentes e informações locais mais positivas (aprovação da reforma trabalhista e redução da meta de inflação). Assim, espera-se que o real opera com ganho ante ao dólar diante dos recentes ganhos da divisa norte-americana.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.