Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 29/03/2018

Brasília, 29 de março de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: redução das tensões geopolíticas, gerada por especulação de que o Japão e a Coreia do Norte poderão fazer uma reunião de cúpula, e esforço de EUA e China para evitar uma guerra comercial, embora não tenho ocorrido avanço, ajudam no bom humor dos investidores internacionais. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsa de Nova York e commodities metálicas e agrícolas operam em alta, enquanto o dólar oscila ante as moedas externas.

Interno: apesar de ser véspera do feriado de Páscoa, a agenda de indicadores e eventos está cheia para hoje. O IBGE divulgará a taxa de desemprego de fevereiro cujas expectativas são de elevação para 12,6% ante a 12,2% em janeiro. Além disso, o Banco Central divulgou mais cedo o Relatório de Inflação no qual mostrou que a chance de estouro do teto da meta em 2018 caiu de 9% para 2% no cenário de mercado, enquanto de estouro do piso passou de 18% para 24%. Para 2019 a chance de estouro da meta caiu de 13% para 12% e do piso cresceu de 15% para 17%. Outro fator para impulsionar a economia via crédito foi o anúncio da autoridade monetária sobre a redução das alíquotas de recolhimento dos depósitos compulsórios. Na agenda política, ontem à noite foi anunciado que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deixará o comando na próxima semana para tentar disputar a eleição presidencial de outubro.

Bolsa: redução das tensões geopolíticas na Ásia, esforço para evitar guerra comercial entre EUA e China e redução das alíquotas sobre depósitos compulsórios tendem a alavancar a alta do Ibovespa no dia.

Juros: a conjuntura externa com propensão ao risco e a redução das alíquotas de depósitos compulsórios pelo Bacen devem estimular a alta dos prêmios na estrutura à termo de juros.

Dólar: a melhora do humor dos investidores externos por conta da redução das tensões políticas na Ásia e alívio monetário proporcionado pelo Bacen devem ajudar o Real a recuperar valor frente ao dólar, após dois dias de perdas.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.

Brasília, 29 de março de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: redução das tensões geopolíticas, gerada por especulação de que o Japão e a Coreia do Norte poderão fazer uma reunião de cúpula, e esforço de EUA e China para evitar uma guerra comercial, embora não tenho ocorrido avanço, ajudam no bom humor dos investidores internacionais. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsa de Nova York e commodities metálicas e agrícolas operam em alta, enquanto o dólar oscila ante as moedas externas.

Interno: apesar de ser véspera do feriado de Páscoa, a agenda de indicadores e eventos está cheia para hoje. O IBGE divulgará a taxa de desemprego de fevereiro cujas expectativas são de elevação para 12,6% ante a 12,2% em janeiro. Além disso, o Banco Central divulgou mais cedo o Relatório de Inflação no qual mostrou que a chance de estouro do teto da meta em 2018 caiu de 9% para 2% no cenário de mercado, enquanto de estouro do piso passou de 18% para 24%. Para 2019 a chance de estouro da meta caiu de 13% para 12% e do piso cresceu de 15% para 17%. Outro fator para impulsionar a economia via crédito foi o anúncio da autoridade monetária sobre a redução das alíquotas de recolhimento dos depósitos compulsórios. Na agenda política, ontem à noite foi anunciado que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deixará o comando na próxima semana para tentar disputar a eleição presidencial de outubro.

Bolsa: redução das tensões geopolíticas na Ásia, esforço para evitar guerra comercial entre EUA e China e redução das alíquotas sobre depósitos compulsórios tendem a alavancar a alta do Ibovespa no dia.
Juros: a conjuntura externa com propensão ao risco e a redução das alíquotas de depósitos compulsórios pelo Bacen devem estimular a alta dos prêmios na estrutura à termo de juros.
Dólar: a melhora do humor dos investidores externos por conta da redução das tensões políticas na Ásia e alívio monetário proporcionado pelo Bacen devem ajudar o Real a recuperar valor frente ao dólar, após dois dias de perdas.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.