Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 28/09/2018

Brasília, 28 de setembro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: o clima volta a pesar nos mercados internacionais, após o controverso governo italiano apresentar uma proposta de meta de déficit fiscal ( 2,4% do PIB) três vezes superior ao planejado pelo governo anterior. Ademais, dados da prévia de inflação ao consumidor na Zona do Euro em linha com as estimativas (2,1% em base anual) e taxa de desemprego na Alemanha de 5,1% em setembro complementam os destaques da agenda. Por ora, bolsas europeias e futuros de bolsas de Wall Street operam em baixa, enquanto o dólar ganha valor ante a maioria das divisas internacionais.

Interno: o noticiário político segue movimentando os negócios domésticos com investidores de olho na pesquisa Datafolha a ser conhecida no final do dia. O aumento dos ataques à candidatura de Jair Bolsonaro gera preocupações, pois alimenta na visão dos operadores de mercado as chances de candidaturas de esquerda. No calendário de indicadores, está previsto a divulgação da taxa de desemprego cujas estimativas são de ligeira queda para 12,1% e dos números fiscais.

Bolsa: a piora do humor dos investidores externos e as expectativas com a pesquisa Datafolha para a corrida presidencial devem estimular a venda dos papéis na bolsa paulista. As três altas consecutivas do Ibovespa também servem de motivo para os players aproveitarem para realizar lucros vendendo as ações.
Juros: a alta do dólar lá fora frente as demais divisas e seus efeitos secundários sobre a inflação interna associado as incertezas no âmbito da corrida presidencial devem sustentar a alta dos juros futuros em todos os prazos (implica, no dia, aumento dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: depois de três dias de apreciação do real frente ao dólar, os investidores domésticos reagem ao cenário externo mais adverso e as dúvidas sobre a eleição presidencial. Ademais, a formação de Ptax (taxa média de câmbio utilizada para fechar contratos de dólar futuro) do mês de setembro também influencia os negócios. Assim, espera-se alta do dólar ante ao real na sessão regular.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.