Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 28/09/2017

Brasília, 28 de setembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: investidores ainda reverberam o plano de reforma tributária anunciado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, cujo resumo da proposta prevê reduzir a tributação de empresas de 35% para 20%. As dúvidas dos mercados são referente ao apoio no Congresso norte-americano a esse projeto tributário sem uma devida compensação dessa possível renúncia fiscal. Enquanto isso, bolsas europeias e o dólar operam com volatilidade.

Interno: o imbróglio político por conta das dificuldades do governo em reagrupar a base de apoio de forma a barrar a segunda denúncia criminal na Câmara dos Deputados aprofunda a visão de que possa não haja avanços na pauta econômica. Na agenda de indicadores, serão divulgados o Balanço do Governo Central, com expectativa de déficit de R$ 16 bilhões em agosto, e também a decisão de TJLP, a expectativa é manutenção em 7%.

Bolsa: bolsas internacionais mostrando volatilidade nesta abertura e incertezas políticas no âmbito doméstico tendem a manter o viés de baixa do Ibovespa na sessão regular.
Juros: a alta dos juros norte-americanos devido aos custos associado ao plano de reforma tributária proposto por Trump, aceleração do IGP-M de setembro e leilão do Tesouro devem trazer pressão de alta para os vencimentos de médio e longo prazo da estrutura à termo de juros.
Dólar: a recente alta do dólar ante ao real nos últimos três pregões não deve prejudicar a escalda da moeda norte-americana. A problemática política deflagrada pelas dificuldades do governo em obter apoio para derrubar a segunda denúncia criminal e seus efeitos sobre a pauta econômica devem manter a pressão de baixa sobre o real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.