Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 28/06/2017

Brasília, 28 de junho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: investidores ainda repercutem a expectativa de reversão da política monetária ultra expansionista na Zona do Euro e impõe perdas nas bolsas europeias e petróleo. Nos EUA, a presidente do Fed, Janet Yellen, acredita que a economia americana suportará juros mais altos.

Interno: os operadores estarão de olho no trâmite da denúncia contra o presidente, Michel Temer, oferecida pela PGR. O ministro do STF, Edson Fachin, definirá o rumo da denúncia. A percepção dos agentes é de que os processos serão demorados e comprometerão fortemente o andamento das reformas. Vale lembrar que hoje o governo espera aprovar a reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), às 10h.

Bolsa: a queda das bolsas externas e do petróleo associado ao extremamente conturbado ambiente político devem servir de argumentos para que os agentes operem com viés negativo nos papéis que compõem o Ibovespa.
Juros: o recuo marginal do dólar ante as divisas externas podem ajudar a curva à termo de juros a trabalhar com tendência de queda. No entanto, os vencimentos mais curtos, até o fim do ano, devem operar ainda na estabilidade por já estar precificado as perspectivas da taxa Selic. Para os demais prazos, os DIs ainda tendem a sofrer com as incertezas que circundam o meio político e o andamento das reformas.
Dólar: os ganhos acumulados recentes com o dólar ante ao real tende a retirar pressão de alta da divisa americana. Ademais, a sinalização de que a política monetária da região do euro será retirada num horizonte não tão distante também estimula a perda da moeda Yankee ante as demais divisas externas.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.