Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 27/12/2017

Brasília, 27 de dezembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados operam sem direção definida diante da última semana do ano. Bolsas europeias e futuros de bolsa de NY operam em margens estreitas, enquanto as commodities caem. Na agenda, o destaque será a confiança do consumidor norte-americano que tem previsão de alta segundo analistas.

Interno: a retomada do governo à procura de votos para a reforma da Previdência anima investidores locais e pode ajudar o país a manter a nota de crédito junto a agência de classificação de risco Standard & Poor´s. No entanto, os agentes ficaram de olho até o fim da semana para realmente confirmar tal manutenção pela S&P. No calendário de indicadores, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged – tem previsão de geração líquida de empregos formais.

Bolsa: conjuntura externa volátil prejudica a tendência para o mercado acionário local. Observando notícias locais, a ameça de rebaixamento de rating soberano do país pela agência S&P deve manter limitado a perspectiva do Ibovespa. Nesse sentido, a bolsa paulista deve operar de forma volátil.
Juros: a baixa liquidez nos mercados doméstico e internacional tendem a deixar os juros futuros sem direção definida.
Dólar: a fraqueza do dólar no exterior diante de uma agenda esvaziada e da baixa liquidez devem limitar os negócios por aqui também. No entanto, o risco de rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela S&P até o fim do ano - a agência não realiza avaliações de países em ano eleitoral - segue no radar dos investidores. Assim, espera-se oscilação da taxa de câmbio local.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.