Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 27/03/2017

Brasília, 27 de março de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: investidores internacionais iniciam a semana influenciados pela derrota do governo Trump na tarde de sexta-feira diante da desistência do Partido Republicano em realizar a reforma do sistema de saúde. O temor é de que outras mudanças esperadas, como a tributária, também sofram restrições. Os ativos financeiros operam com viés negativo neste começa do dia.

Interno: os agentes domésticos seguem influenciados tanto pelo cenário externo, quanto pelo aguardo de anúncios de corte no Orçamento Federal deste ano e provável aumento de impostos para tentar cumprir o déficit fiscal de R$ 139 bilhões previsto para 2017. Ainda no campo de visão dos investidores, as pressões para modificar a reforma da Previdência.

Bolsa: quadro externo ruim por conta da derrota de Trump no Congresso norte-americano e dúvidas quanto ao corte do orçamento para o cobrir o excedente de R$ 58 bilhões sobre a meta fiscal negativa de R$ 139 bilhões devem pesar na Bovespa. As alternativas se reoneração tributária de alguns setores isentos segue como uma das medidas do governo para elevar receitas.
Juros: incerteza política do governo Trump nos EUA no que tange a implementação de reformas nos sistemas de saúde e tributária e boletim Focus mostrando revisão para baixo do IPCA no fim de 2017 (de 4,15% para 4,12%) devem direcionar a estrutura à termo de juros para baixo.
Dólar: a permanência de aversão ao risco dos investidores internacionais e incertezas quanto ao ajuste fiscal no Brasil (cortes no Orçamento Federal e aumento de impostos) tendem apreciar novamente o dólar ante ao real nesta segunda-feira.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.