Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 26/11/2019

Brasília, 26 de novembro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: O noticiário informando que autoridades americanas e chinesas mantiveram contato telefônico e concordaram em continuar a buscar um acordo preliminar alivia os temores de piora para a economia mundial. Contudo, os níveis elevados dos ativos pressionam negativamente e estimulam correção moderada de preços. Outro fator de pressão no câmbio está associado as declarações do presidente do Federal Reserve (Banco Central dos EUA), Jerome Powell, de que a política monetária está “bem posicionada” sugerindo que não deve baixar o juro no curto prazo. No momento, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e as commodities agrícolas e metálicas caem, enquanto o dólar sobe frente a maioria das moedas internacionais.

Interno: As atenções seguem voltadas para o câmbio que segue trajetória de alta e renovou o pico nominal histórico ontem R$ 4,2276/US$. O quadro de juros baixo e fluxo de saída de capitais, movimento sazonal do ano, ajudam a explicar parte do movimento.

 

Bolsa: O ambiente internacional abre volátil diante da falta de notícias mais concretas sobre o impasse comercial entre EUA e China, bem como ausência de estímulo monetário no curto prazo. A queda do comércio exterior do Brasil também deve impactar negativamente o Ibovespa.
Juros: A apreciação do dólar frente a moeda doméstico (efeito de alta na inflação no curto prazo) e nível baixo do juro básico nacional devem impor alta da curva de juros (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A alta do dólar ante a maioria das divisas internacionais atua como vetor negativo para a moeda doméstica. Nesse sentido, o dólar tende a operar em alta frente ao real na sessão regular.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.