Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 26/07/2017

Brasília, 26 de julho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: investidores operam no positivo com bolsas europeias e futuros de bolsa de Nova York trabalhando no azul. A decisão de política monetária do Federal Reserve entra no foco diante das expectativas com a comunicado da instituição sobre quando irá elevar os juros ou reduzir o balanço patrimonial.

Interno: a situação fiscal do país segue no foco diante das sinalizações de que a meta poderá ser alterada diante das dificuldades do governo para administrar o déficit primário definido para o ano de R$ 139 bilhões. Nesse assunto, o ministro Henrique Meirelles comentou que “não há momento para esta decisão”, mas que será feito “o que for necessário e melhor para o nosso país”. Ademais, decisão do Copom sobre a taxa Selic pode adicionar uma maior volatilidade nos juros futuros.

Bolsa: a elevação das commodities e das principais bolsas internacionais devem impulsionar o Ibovespa que tentará encerrar o dia com o terceiro pregão consecutivo de alta.
Juros: em dia de decisão do Copom e do Fomc (Comitê de Mercado Aberto do Fed), investidores locais tendem a operar em margens estreitas influenciados também pela indicação do governo de que alterará a meta fiscal do ano caso seja necessário.
Dólar: a alta do dólar ante a maioria das divisas emergentes por conta da expectativa da decisão de política monetária do Fed, dificuldades de cumprimento da meta fiscal pelo governo e decisão do Copom devem pressionar a taxa de câmbio doméstica e impor perda do real contra o dólar. Vale lembrar que um impulso adicional na taxa de câmbio local deve ser limitado devido as últimas cinco sessões de alta da divisa norte-americana frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.