Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 26/06/2018

Brasília, 26 de junho de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados internacionais operam sem fôlego nesta abertura diante das constantes declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre a política protecionista. Os efeitos de uma guerra comercial no mundo com consequências negativas para o crescimento econômico mundial deve seguir no radar dos investidores. Nesse sentido, os ativos buscam uma recuperação nas praças europeias, enquanto nos EUA os papéis trabalham com volatilidade. Já as commodities operam em alta.

Interno: fator político continua no foco, após decisão do ministro do STF, Edson Fachin, de levar o recurso da defesa de Lula ao plenário da suprema corte. No entanto, segundo jurístas o julgamento deve ser realizado em meados de agosto. Quanto ao calendário econômico, a ata do Copom será avaliada de modo que os investidores consigam prever os próximos passos da politica monetária do Banco Central.

Bolsa: a fraqueza das praças acionárias na europa e nos EUA deve contaminar a tentativa de recuperação do Ibovespa. No campo corporativo, o andamento do projeto da cessão onerosa na Câmara dos Deputados hoje pode influenciar os papéis da Petrobrás. Já a Vale, as ações da mineradora serão influenciadas pela confirmação de acordo da Samarco para reparação de danos causados na Bacia do Rio Doce. Assim, o Ibovespa deve operar com volatilidade.
Juros: o fortalecimento do dólar ante a maioria das moedas externas deve ser contrabalançado pela ata do Copom que deve manter a mensagem de que os juros serão conduzidos de forma parcimoniosa. Além disso, o leilão de títulos públicos indexados pode limitar o movimento da curva de juros. Desse modo, espera-se que a curva de juros doméstica apresente queda nos vencimentos de curto, médio e longo prazo no dia.
Dólar: a valorização da moeda norte-americana frente a boa parte das divisas externas deve atuar como contraponto ao leilão de rolagem de swap cambial de julho no montante de US$ 440 milhões. Adiciona-se a isso as incertezas eleitorais que persistem, espera-se que o dólar opere com volatilidade na sessão regular.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.