Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 26/04/2018

Brasília, 26 de abril de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: divulgações de balanços corporativos ajudam os mercados internacionais a manterem um viés positivo para os negócios. No entanto, a valorização dos preços do petróleo e suas implicações para a economia global e, principalmente, para a dos EUA limita os ânimos dos investidores. Será também acompanhado alguns indicadores de atividade norte-americana cujas a previsões são de arrefecimento além dos riscos geopolíticos envolvendo a possibilidade dos EUA adotarem novas sanções contra o Irã. Por ora, bolsas europeias operam ligeiramente no positivo, ao passo que os furutos de bolsa de Wall Street oscilam. O dólar ganha valor ante a maioria das divisas internacionais e o petróleo segue na trajetória positiva diante da problemática do acordo nuclear entre Irã e os EUA.

Interno: as muitas incertezas envolvendo a corrida eleitoral e suas implicações sobre a agenda econômica atual conjugado com a possibilidade de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda, fazer um acordo de delação premiada pode manter a cautela dos investidores domésticos. Ademais, divulgação de balanços corporativos (Vale e Bradesco) e dos dados de crédito serão os destaques para movimentar os negócios.

Bolsa: o ambiente externo com maior propensão ao risco e resultados corporativos (Vale e Bradesco) corroboram o viés ligeiramente positivo para a Bovespa. Vale lembrar que as incertezas no campo eleitoral e falta de andamento da pauta econômica no Congresso atua de forma contrária a perspectiva dos preços dos papéis.
Juros: exterior mais positivo, com o dólar e os juros dos Treasuries em baixa pode contribuir para um alívio da curva de DIs, mesmo diante de um cenário local relativamente adverso por conta da corrida eleitoral. Ademais, a previsão dos indicadores nacionais devem sustentar a visão de ritmo bem moderado da recuperação da atividade. Assim, espera-se que a parte média e longa da curva opere em ligeira queda e os vencimentos curtos na estabilidade.
Dólar: a forte valorização do dólar ante ao real nos últimos cinco pregões e rolagem de contratos cambiais deve ajudar a taxa de câmbio local. Por outro lado, pemanece as incertezas políticas interna e a falta de perspectivas de andamento da pauta econômica no Congresso e isso pode inibir a apreciação do real. No momento a perspectiva é de recuperação da moeda nacional.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.