Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 25/05/2017

Brasília, 25 de maio de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados internacionais abrem o dia operando em bandas estreitas, refletindo a expectativa de que o Federal Reserve manterá o gradualismo no aperto monetário, tanto quanto à taxa de juros quanto à redução do balanço patrimonial, segundo os apontamentos da ata do FOMC referente à reunião entre 2 e 3 de maio, divulgada ontem. Investidores também devem acompanhar a decisão da OPEP sobre a extensão do corte de produção de petróleo.

Interno: as tensões crescentes no âmbito político e os consequentes riscos para os próximos meses não chancelam a manutenção de um clima de confiança entre os investidores domésticos. As dúvidas quanto a permanência do atual governo e ausência de alternativas claras para a sucessão deixam os mercados locais em compasso de cautela.

Bolsa: depois de dois dias de recuperação o Ibovespa tende a seguir a cautela e corrigir os preços, enquanto o cenário político se apresente instável.
Juros: em dia de agenda fraca e exterior "morno" players locais devem digerir a aprovação ontem no parlamento de três medidas provisórias que abordam regularização de terras da União ocupadas na Amazônia Legal, que revisa benefícios do INSS e que reajusta remuneração do executivo Federal. A proximidade do Copom contribui para que os vencimetnos dos DIs de curto prazo operem na estabilidade, ao passo que, os demais vencimentos tendem a trabalhar em baixa na ausência de leilões extraordinários pelo Tesouro.
Dólar: a conjuntura externa ainda amena poderia ajudar a paridade real/dólar no dia. No entanto, as incertezas no campo político interno deve preponderar e pressionar a taxa de câmbio doméstica.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.