Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 24/05/2018

Brasília, 24 de maio de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: apesar do Federal Reserve renovar o discurso gradualista na ata de ontem e esvaziar as apostas de altas mais agressivas do juros dos EUA, mercados europeus e futuros de bolsa de Nova Iorque operam sem direção definida. Investidores estão preocupados com as negociações comerciais do setor automotivo no âmbito do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta). Nesse contexto, petróleo cai e moedas emergentes cedem ante ao dólar.

Interno: a Greve dos Caminhoneiros é destaque na pauta doméstica diante dos efeitos sobre o abastecimento de diversos produtos no país. O governo está intensificando as negociações para tentar rever a política de preços dos combustíveis, em especial, para o diesel. Por ora, a Petrobrás anunciou uma redução de 10% nos preços do óleo diesel na refinaria e um congelamento desses preços por 15 dias. Ademais, como forma de compensar a potencial perda com arrecadação de CIDE e PIS/Cofins sobre o diesel, a Câmara dos Deputados aprovou no final da noite o projeto que reduz neste ano a desoneração da folha de pagamento para 28 setores da economia.

Bolsa: a instabilidade das praças acionárias globais e a pressão sobre a política de preços praticados pela Petrobrás sobre o diesel tendem a impactar negativamente a Bovespa.
Juros: a alta do dólar frente as moedas emergentes e os efeitos dos aumentos recentes dos combustíveis sobre a inflação doméstica devem impor alta na curva à termo de juros.
Dólar: a tensão com o potencial impacto dos protestos de caminhoneiros sobre a Petrobrás, as contas fiscais e a economia em geral associado a depreciação das moedas ligadas a commodities frente ao dólar devem prejudicar a taxa de câmbio local. Assim, o dólar tende a fortalecer ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.