Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 24/05/2017

Brasília, 24 de maio de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados internacionais abrem com pouco fôlego, com sinal negativo prevalencendo nas bolsas europeias, influenciados pela decisão da Moody´s de rebaixar a nota soberana da China de Aa3 para A1. Enquanto isso, na agenda de eventos, serão conhecidos a ata do Fed da última reunião de política monetária no qual os investidores querem ver as expectativas dos dirigentes quanto a possibilidade de uma nova elevação nos juros na próxima reunião em 13 e 14 de junho. Por ora, commodities e dólar cedem.

Interno: na cena política, segue a movimentação dos partidos diante os desdobramentos acerca das acusações contra Temer. Nesse sentido, a bancada na Câmara do PSDB segue discutindo o melhor momento para desembarcar do governo e falam em iniciar as conversas em torno de um nome suprapartidário que possa substituir Temer. Por enquanto, os investidores operam com viés positivo diante da perspectiva de resolução da crise política.

 

Bolsa: em que pese a gravidade da crise política, investidores domésticos devem reagir de forma positiva por conta da perspectiva de resolução do imbróglio político e da continuidade da agenda de reformas.
Juros: mesmo com a imprevisibilidade do cenário interno, os players fazem leitura de que "a perspectiva de uma saída rápida" da crise política, bem como de preservação do andamento das reformas fiscalistas no Congresso são fatores positivos. Nesse sentido, a curva de juros tende a cair ao longo de todos os vértices.
Dólar: a conjuntura externa mais amena tende a reforçar o viés de baixa do dólar ante ao real. Mas o determinante desse movimento está vinculado ao cenário doméstico, no qual os investidores começam a enxergar uma "saída rápida" da atual crise política.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.