Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 23/08/2017

Brasília, 23 de agosto de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: após bons ganhos de ontem, os mercados internacionais passam por ajustes utilizando como argumentos as dúvidas quanto ao apoio do presidente norte-americano, Donald Trump, no Congresso. Ademais, o simpósio de política monetária de Jackson Hole, amanhã, acentua a cautela entre os investidores. No momento, bolsas europeias e commodities operam em baixa, enquanto o dólar trabalha volátil.

Interno: o impasse na votação da TLP na Comissão Mista observado ontem, traz ainda preocupações entre os investidores locais. Outro elemento que adiciona preocaução diz respeito as discussões sobre a reforma política, pois agregam incertezas sobre o avanço da agenda econômica no Congresso. Na agenda de indicadores, o IPCA-15 deve mostrar alguma aceleração frente ao dado de julho.

Fechamento dos mercados 22/08/2017

Ibovespa: a euforia dos investidores com a notícia da privatização da Eletrobrás deu o tom dos negócios e levou o Índice Bovespa a uma alta de 2,01%, aos 70.011 pontos, maior nível desde 19 de janeiro de 2011.

Juros futuros: o processo de desestatização da Eletrobrás e a perspectiva de aprovação da TLP corroboraram o alívio de prêmios na curva de juros. Os DIs de jan/18, jan/19 e jan/21 encerraram em 8,02% (de 8,04%), 8,03% (de 8,07%) e 9,47% (9,52%), respectivamente.

Dólar: a moeda americana inverteu a tendência de queda e encerrou na estabilidade por conta das incertezas sobre a votação da TLP no Congresso no fim do dia. Assim, o dólar terminou em leve alta de 0,01%, aos R$ 3,1699.

Bolsa: a forte alta do Ibovespa vista ontem e queda das commodities no exterior devem impor correção de preços na bolsa doméstica.
Juros: as dúvidas quanto ao avanço da agenda econômica e expectativas de IPCA-15 maior (mediana das estimativas de 0,40%) frente ao resultado de julho tendem a pressionar a curva de juros. No entanto, deve prevalecer a leitura benigna do índice de inflação por conta da fraqueza da atividade doméstica. Assim, espera-se que a curva à termo de juros opere em baixa.
Dólar: as oscilações do dólar no exterior e dúvidas com relação a votação da TLP no Congresso tendem a manter a taxa de câmbio em volatilidade.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.