Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 23/03/2018

Brasília, 23 de março de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: a aversão ao risco predomina nos mercados internacionais diante dos temores de uma guerra comercial entre EUA e China. As empresas asiáticas, muitas das quais dependem de exportações, tendem a ser prejudicadas se EUA e China forem adiante com as ameaças de medidas comerciais punitivas. Nesse sentido, bolsas europeias, futuros de bolsa de Nova York e commodities metálicas e agrícolas caem, enquanto o petróleo sobe. No câmbio, o dólar perde valor ante a maioria das divisas externas.

Interno: na agenda local o destaque será o IPCA-15 de março, que tem previsão de apresentar alta de 0,09%, desacelerando frente ao número de fevereiro (0,38%). Nos eventos, a suspensão do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula, até 4 de abril, que nesse período vigorará a proibição da prisão, amplia as incertezas no âmbito da corrida eleitoral.

Bolsa: o cenário externo negativo por conta da possibilidade de que ocorra uma guerra comercial entre EUA e China tende a manter influência na Bovespa, que deve extender a queda de ontem.
Juros: a perspectiva de que o IPCA-15 mostre desaceleração deve se contrapor a aversão ao risco no exterior por causa da tensão entre EUA e China. Assim, espera-se que a curva à termo de juros opere na estabilidade no dia.
Dólar: apesar do mau humor dos investidores externos, o dólar opera em queda ante a maioria das divisas internacionais por fatores técnicos (depois da alta da moeda norte-americana ontem). No entanto, as incertezas sobre o protecionismo dos EUA tendem a pesar e mover o dólar para cima frente ao Real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.