Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 22/09/2017

Brasília, 22 de setembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: nem mesmo dados positivos de atividade de alguns países da região do euro é suficiente para propiciar apetite ao risco nas praças financeiras europeias. A guerra de palavras entre EUA e Coreia do Norte volta a cena e serve de motivo para os investidores trabalharem na cautela. Desta vez, o país asiático ameaçou com um novo teste nuclear de “escala inédita”. Ademais, o rebaixamento de rating soberando da China traz preocupações, pois ser trata do primeiro corte na nota desde 1999. Assim, bolsas europeias operam com volatilidade e commodities metálicas e petróleo caem.

Interno: a cena política retorna nas discussões do mercado diante da delação de Lúcio Funaro contra a cúpula do PMDB e da crise entre o Rodrigo Maia e Planalto. A preocupação dos agentes financeiros refere-se ao atraso na retomada das discussões sobre a Previdência.

Bolsa: o quadro econômico doméstico segue benigno (criação de empregos líquidos - Caged, alta na confiança do consumidor etc) o que fornece suporte aos ativos acionários. A conjuntura externa de maior aversão ao risco tende a retirar o ímpeto do Ibovespa de forma comedida. Nesse sentido, espera-se pequena oscilação do índice acionário paulista com viés ligeiramente positivo.
Juros: as fortes quedas recentes dos DIs e indicadores de atividade nacional mostrando continuidade da recuperação gradual da economia doméstica tendem a elevar os prêmios ao longo da estrutura à termo de juros. Por outro lado, as incertezas políticas podem limitar o movimento e provocar oscilação da curva de juros.
Dólar: a queda do dólar ante ao euro e iene japonês, apesar das renovadas tensões geopolíticas, associado aos bons indicadores de atividade nacional devem contribuir para apreciação do real ante a moeda norte-americana.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.