Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 22/08/2019

Brasília, 22 de agosto de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: A cautela domina esta abertura dos negócios nas principais praças financeiras diante dos temores de recessão global. O gatilho desta onda de pessimismo partiu do documento do Federal Reserve (Banco Central dos EUA) que ontem indicou o ciclo de corte de juros não deve ser sequenciado. No calendário, a ata do Banco Central Europeu e o simpósio de Jackson Hole (reunião de banqueiros centrais) nos EUA serão monitorados. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e as commodities metálicas caem, enquanto o Petróleo sobe. O dólar oscila ante a maioria das divisas internacionais.

Interno: O panorama externo deve segurar a reação observada ontem dos ativos domésticos provocando ajustes. O mercado deve digerir hoje a informação de que o Senado aprovou a MP da liberdade econômica, mas sem contemplar o trabalho aos domingos, como queria o governo. Na agenda, a previsão de alta modesta de 0,16% do IPCA-15 de agosto e leilão de títulos públicos pré-fixados serão os destaques.

Bolsa: A preocaução nas praças acionárias na Europa e nos EUA deve ser contrapor a ênfase que voltou a ser dada ao programa de privatizações pelo governo. Assim, espera-se que o índice paulista trabalhe com volatilidade no dia.
Juros: A volatilidade do dólar frente a maioria das moedas externas (gera pressão na inflação no curto prazo) deve ser ofuscado pela expectativa de IPCA-15 bem comportado. Nesse sentido, os juros futuros tendem a cair na sesssão regular (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O cenário externo ligeiramente negativo será contrabalançado pelos leilões de swap cambial que o Bacen realiza hoje. Desse modo, o dólar tende a trabalhar na estabilidade frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.