Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 22/08/2017

Brasília, 22 de agosto de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados operam com propensão ao risco diante das menores tensões geopolíticas. No momento, investidores ficam na expectativa pelo simpósio anual em Jackson Hole, que inicia na quinta-feira. O mercado busca pistas se haverá uma terceira elevação dos juros em 2017 pelo Fed. Também há expectativa por comentários sobre o plano de redução do balanço patrimonial que deve acontecer ainda este ano. Quanto ao BCE, fica a expectativa de Mario Draghi fazer alguma menção sobre planos de reverter o relaxamento monetário. Assim, bolsas europeias e dólar se valorizam.

Interno: a confiança do governo na aprovação da TLP na Comissão Mista e intenção do governo de privatizar a Eletrobrás geram otimismo no mercado doméstico. Ademais, a disputa judicial em torno das usinas da Cemig também entra com fator de cautela, dada a relevância dos valores estimados nos leilões para ajudar no resultado fiscal do ano.

Fechamento dos mercados 21/08/2017

Ibovespa: o vencimento de opções sobre ações e questões políticas provocaram volatilidade e impôs uma ligeira queda do Ibovespa de 0,12%, aos 68.634 pontos.

Juros futuros: os DIs passaram a última hora da sessão regular agregando prêmios, na parte médio e longa da curva, por conta da denúncia da PGR contra o líder do governo no Senado, Romero Jucá, nas investigações da Operação Zelotes. Os DIs de jan/18, jan/19 e jan/21 encerraram em 8,04% (de 8,06%), 8,07% (de 8,06%) e 9,52% (9,44%), respectivamente.

Dólar: notícias desfavoráveis para o governo federal devido a denúncia da PGR contra o senador, Romero Jucá, acusado por crimes na Operação Zelotes impôs forte elevação, de 0,79%, do dólar ante ao real, cotado aos R$ 3,1697.

Bolsa: o noticiário local dando conta da intenção do governo para privatizar a Eletrobrás tende a embalar a Ibovespa, que pode romper os 69 mil pontos. De fora, às altas históricas de cobre e zinco animam os mercados externos e corroboram a perspectiva positiva para a bolsa nacional.
Juros: à espera pela aprovação da TLP, deve favorecer a queda das taxas de médio e longo prazo na estrutura à termo de juros. Ademais, a expectativa do governo de que ocorra em duas semana as discussões do projeto do Refis (com chances de arrecadação de R$ 9,8 bilhões) também auxilia na tendência de queda dos juros.
Dólar: as informações de que o governo trabalha para propor a privatização da Eletrobrás e perspectivas de aprovação da TLP na Comissão Mista devem apreciar o real ante ao dólar, em que pese a alta da divisa norte-americana ante as demais moedas, lá fora.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.