Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 22/05/2017

Brasília, 22 de maio de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo:agenda esvaziada faz com que bolsas e dólar operem volátil diante das dúvidas quanto à capacidade do governo Trump de viabilizar as políticas expansionistas defendidas. Pemanecem no foco as tensões políticas vinculadas ao episódio envolvendo as ligações estranhas do presidente norte-americano com a Rússia. No campo das commodities, os preços de petróleo, metais e agrícolas tentam sustentar ganhos nesta abertura.

Interno: A indefinição na política ainda devem estimular os investidores locais a retomarem proteção. A percepção de que a agenda de reformas está comprometida associado ao temor de uma guinada da política econômica, no caso de mudança de governo, são fatores que reforçam a aversão ao risco. Pelo menos até quarta-feira, quando o STF avaliará o pedido de suspensão do inquérito contra o presidente, os ativos financeiros devem operar com volatilidade. 

Bolsa: os graves problemas políticos locais tendem a manter os papéis operando com forte volatilidade. O contraponto será as empresas exportadoras que tendem a serem beneficiadas com um dólar mais valorizado. Por ora o viés é de baixa para a Bovespa na sessão de hoje.
Juros: sem muitas alterações na pesquisa Focus, os investidores devem movimentar a curva à termo de juros observando a perspectiva para o próximo Copom com apostas de corte de 50bps, 75bps e 100bps a depender da oscilação do câmbio. A possível paralisação das reformas no Congresso devem pesar e manter pressionado os DIs de médio e longo prazos. Já os vencimentos até o fim do ano pode trabalhar na estabilidade.
Dólar: a crise política interna ainda tende a influenciar a taxa de câmbio doméstica diante das incertezas de comando do país. Pressiona ainda nove pedidos de impedimento em tramitação no Congresso além da OAB também ter decido entrar com pedido de impeachment na próxima quarta-feira.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.