Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 22/03/2017

Brasília, 22 de março de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: entrou na discussão dos investidores internacionais a habilidade política do presidente dos EUA, Donald Trump, em lidar com sua agenda econômica no Congresso, após o líder do país abrir confronto com políticos do seu próprio partido no caso da proposta de reforma do sistema de saúde. Com esse contexto os players operam em tom negativo e cauteloso.

Interno: o desconforto entre os agentes financeiros criado pelo recuo do governo na proposta da reforma da previdência causa preocupação quanto a agenda de reformas das contas públicas. A retirada dos servidores estaduais e municipais do projeto de mudança da previdência dá a percepção de fraqueza do governo. Outro ponto a ser considerado pelos investidores nacionais é o anúncio da revisão orçamentária e a repercussão do balanço da Petrobrás.

Bolsa: o dia tende a ser turbulento em meio à continuidade da correção de preços no exterior, alimentado pelas resistências do Congresso americano aos projetos de Trump, e a decisão de Temer de restringir a reforma da Previdência aos servidores federais. Assim, o Ibovespa deve reagir negativamente, mas com os investidores avaliando os números da Petrobrás.
Juros: a mudança na proposta da reforma da Previdência e a revisão do Orçamento Federal com possível anúncio de elevação de impostos tendem a pressionar para cima a curva à termo de juros. Na agenda de indicadores, a alta de 0,15% do IPCA-15 de março (menor patamar para os meses de março desde 2009) pode atenuar a pressão nos DIs.
Dólar: o cenário de aversão ao risco no exterior causado pelo ambiente político conturbado nos EUA e alteração no projeto de reforma da Previdência por aqui devem manter o dólar apreciado ante ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.