Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 21/11/2019

Brasília, 21 de novembro de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: As incertezas em torno das negociações comerciais entre EUA e China trava o ânimo dos investidores internacionais e empurram as bolsas europeias e futuros de bolsas de Nova Iorque para baixo. A notícia de que a China teria convidado os negociadores norte-americanos para mais uma conversa presencial em Pequim traz algum alento. Os negócios seguirão observando essas negociações sino-americanas. Enquanto isso, as commodities agrícolas e Petróleo sobem e o dólar cede frente a maioria das moedas internacionais.

Interno: A aprovação da PEC paralela no Senado e o avanço da PEC da 2º instância na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara dos Deputados embora positiva gera cautela nos investidores locais. A preocupação recai sobre a difícil tramitação de ambas as PECs no Congresso. O mesmo vale para as demais reformas econômicas que devem avançar apenas em 2020. Essa baixa expectativa de avanço das reformas impacta os negócios no dia.

Bolsa: O ambiente internacional avesso ao risco e dificuldade para o andamento das reformas econômicas no Congresso devem afetar negativamente o Ibovespa.
Juros: A depreciação recente do câmbio doméstico segue pesando sobre as expectativas de impacto sobre a inflação local. Acentua essa visão a fala do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de que o importante para a instituição é "como o câmbio alimenta a inflação". Assim, os juros futuros tendem a subir (aumento, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: A queda do dólar ante a maioria das divisas internacionais atua como vetor positivo para a moeda doméstica, no entanto, as incertezas comerciais entre EUA e China pesa sobre a taxa de câmbio. Nesse sentido, o dólar tende a oscilar frente ao real na sessão regular.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.