Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 21/09/2018

Brasília, 21 de setembro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: o bom desempenho das bolsas de Wall Street na véspera ainda reverbera e mantêm o sinal positivo nesta manhã nas bolsas europeias e nas commodities. Auxilia também a redução dos temores, nos últimos dias, em relação a rupturas no comércio global, em especial entre EUA e China. Na agenda de indicadores, o índice de atividade industrial da Zona do Euro abaixo do esperado pelos analistas e contrapõe a resiliência do setor de serviços no velho mundo. Por ora, prevalece o bom humor dos investidores internacionais.

Interno: o cenário político segue no radar dos agentes financeiros domésticos que avaliam a chance de vitória de Bolsonaro e os sinais de moderação no discurso de Haddad. No calendário, a perspectiva de que o IPCA-15 de setembro apresente alta de 0,12%, após avanço de 0,13% em agosto, não deve pesar tanto depois da indicação do Banco Central da possibilidade de elevar os juros caso o cenário para a inflação piore.

Bolsa: o cenário externo melhor e menor tensão dos investidores locais com a corrida eleitoral tendem a elevar os preços dos papéis que compõem o Ibovespa.
Juros:  o contexto político mais tranquilo e expectativa de que o IPCA-15 de setembro mostre um quadro de inflação bem comportado devem ajudar na queda dos juros futuros ao longo de todos os prazos (isso tende a implicar, no dia, em queda nos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: a conjuntura econômica lá fora favorável a tomada de risco de países emergentes associado a percepção de alguns agentes do mercado de alguma previsibilidade na cena eleitoral devem ajudar o real a se apreciar ante ao dólar. Contudo, expectativas com nova pesquisa Ibope pode limitar o ímpeto da moeda doméstica. Assim, espera-se volatilidade na taxa de câmbio local.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.