Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 21/08/2019

Brasília, 21 de agosto de 2019

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: Investidores internacionais operam com viés positivo antes da divulgação da ata do Fomc (Comitê de Mercado Aberto) do Federal Reserve (Banco Central norte-americano). Os analistas acreditam que o Fed deve sinalizar a continuidade do ciclo de queda dos juros diante dos temores de desaceleração global. Lembrando que, no início da semana, o presidente dos EUA, Donald Trump, voltou a fazer pressão e defender que o Fed corte seus juros em “pelo menos” um ponto porcentual num curto período de tempo. Por ora, bolsas europeias, futuros de bolsas de Nova Iorque e Petróleo sobem, enquanto as commodities agrícolas e metálicas oscilam. O dólar cede ante a maioria das divisas emergentes.

Interno: O anúncio pelo governo de privatizações de 17 empresas e a discussão do Pacto Federativo (envolve a descentralização dos recursos que ficam na mão da União e transfere mais destes para Estados e Municípios) entrão no radar dos operadores locais. Além disso, as discussões para avançar a reforma tributária também animam os investidores, pois tem potencial de simplificação grande o que favoreceria os custos das empresas no processo que envolve a arrecadação.

Bolsa:  A boa performace das praças acionárias na Europa e nos EUA e avanço das discussões da agenda de reformas econômicas tendem a impulsionar o Ibovespa. Assim, espera-se alta do índice paulista para o dia.
Juros: A perda do dólar frente a maioria das moedas emergentes (tira pressão da inflação no curto prazo) associado ao avanço das discussões da reforma tributária e do processo de privatizações devem contribuir para a baixa dos juros futuros na sesssão regular (queda, no dia, dos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: O cenário externo ligeiramente positivo aliado a estreia de leilões conjugados de swap cambial reverso e venda de dólares à vista com swap cambial tradicional pelo Bacen tendem a impor queda da divisa estadunidense frente ao real.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.