Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 21/07/2017

Brasília, 21 de julho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: mercados amanhecem mais avessos ao risco diante da indicação do Banco Central Europeu – BCE – de que irá discutir a redução do programa de compra de ativos de 60 bilhões de euros mensalmente no outono. Assim, sem agenda de indicadores relevante as bolsas europeias e futuros de bolsa de Nova York operam no terreno negativo.

Interno: a confirmação do forte aumento do PIS-Cofins sobre combustíveis (com objetivo de arrecadar R$ 10,4 bilhões) e novo contingenciamento orçamentário são os eventos de destaque. Investidores nacionais irão avaliar as implicações das medidas anunciadas sobre a economia. No momento, essas notícias reforçam a disposição do governo de cumprir a meta fiscal do ano. Por outro lado, tais medidas podem gerar reações adversas na sociedade.

Bolsa: o mau humor externo (queda das bolsas europeias e do petróleo) e as dúvidas quanto as medidas do governo para conter uma expansão ainda maior do déficit público devem impor ligeira queda da Bovespa no dia.
Juros: noticiário confirmando medidas governamentais para conter o déficit público tende a limitar o movimento de queda na curva de DI observado recentemente. No entanto, as implicações das medidas anunciadas sobre a economia, sobretudo, na inflação e na atividade deve deixar a estrutura à termo de juros operando de lado.
Dólar: a queda das moedas emergentes frente ao dólar terá como contraponto o leilão de rolagem de swaps cambiais, pelo Banco Central, bem como a disposição da equipe econômica para conter o déficit público. Assim, o dólar deve operar com volatilidade no dia.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.