Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 21/06/2017

Brasília, 21 de junho de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: o dia começa com aversão ao risco por parte dos investidores internacionais por conta do pessimismo com a queda recente dos contratos futuros de petróleo. Especialistas afirmam que o acordo da OPEP, de novembro, para segurar a produção (e os preços) incentivou a produção nos EUA, influenciando no aumento da oferta global. Enquanto isso, os agentes aguardam os números de estoques de petróleo (11h30) para balizar as operações.

Interno: ainda sob os efeitos da derrota do governo ontem com a rejeição do relatório da reforma trabalhista na Comisão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, os agentes devem manter a cautela nos negócios. Além disso, notícias de que a delação de Lúcio Funaro acusa o presidente, Temer, de intermediar doação de recursos ao PMDB dentre outras informações também completa o quadro político. Na agenda de eventos, o STF discute hoje a validade da delação dos executivos do Grupo J & F cuja tendência é de que haja maioria para validar.

Bolsa: a conjuntura externa desfavorável com queda das bolsas internacionais e do petróleo aliado ao pessimismo político tendem a manter o viés de baixa para o Ibovespa. Por outro lado, a forte queda de ontem pode limitar o movimento diante de uma potencial correção de preços.
Juros: em que pese o ambiente político interno inspirando cuidados, a parte de curto e médio prazo da curva à termo de juros tende a operar na estabilidade. Já os vencimentos de longo prazo ainda deve subir devido ao noticiário político que traz incertezas para a economia nacional.
Dólar: a divisa norte-americana deve passar por uma breve realização de lucros, após a forte alta observada ontem. No entanto, o cenário político gerando incertezas para a atividade nacional deve pesar e depreciar o real contra a moeda estadunidense.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.