Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 20/12/2017

Brasília, 20 de dezembro de 2017

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: bolsas asiáticas fecham sem direção definida com investidores acompanhando o andamento da reforma tributária norte-americana e a forte volatilidade do bitcoin. No velho mundo, bolsas europeias trabalham no vermelho aproveitando para realizar lucros já que o avanço da proposta tributária dos EUA estava bem precificado. Por ora, futuros de bolsa de NY refletem o bom humor dos players após aprovação, parcial, da reforma tributária no Senado dos norte-americano por 51 votos a 48, registrado nesta madrugada.

Interno: na ausência de noticiário político, investidores voltam a reagir a agenda de eventos financeiros. Banco Central decidiu reduzir a alíquota do compulsório à vista, de 45% para 40%, e da alíquota sobre recursos a prazo, de 36% para 34%. Segundo o Bacen, a medida gera efeito líquido que corresponde à liberação de R$ 6,5 bilhões na economia. Enquanto isso, pesquisas políticas devem gerar cautela entre os investidores e ampliar as incertezas para 2018.

Bolsa: a perspectiva de aprovação definitiva da reforma tributária dos EUA e redução de compulsórios tendem a impulsionar o Ibovespa no pregão reular. Papéis do setor bancário devem-se beneficiar da medida de política monetária - diminuição das alíquotas de compulsório - do Banco Central brasileiro.
Juros: volatilidade do dólar no exterior deve contrabalançar com o anúncio do Bacen de reduzir as alíquotas do compulsório à vista e dos depósitos à prazo. Nesse sentido, os vencimentos de médio e longo prazo tendem a cair aproveitando para corrigir um pouco a alta vista nos últimos dias. Os demais prêmios tendem a operar na estabilidade.
Dólar: a quase aprovação da reforma tributária dos EUA ajuda a fortalecer a divisa Yankee frente as moedas internacionais. Por outro lado, liberação de compulsórios pelo Bacen tende a contribuir positivamente para a economia doméstica. Assim, espera-se ligeira apreciação do Real ante ao dólar.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.