Boletim de Abertura

Abertura de Mercado – 20/09/2018

Brasília, 20 de setembro de 2018

NOTAS ECONÔMICAS — Abertura dos Mercados

Ambiente Financeiro:

Externo: o clima permanece tranquilo nos mercados internacionais com investidores minimizando as preocupações com a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Na Europa, os investidores seguem atentos às tratativas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), por outro lado, a piora no sentimento em relação à separação vem limitando os ganhos na Bolsa de Londres. Nesse sentido, bolsas europeias, futuros de bolsa de Wall Street e commodities operam em alta, equanto o dólar cai frente as moedas externas.

Interno: a acomodação tênue nos preços dos ativos financeiros domésticos pode estar relacionada a última pesquisa Datafolha sobre a corrida presidencial que revelou a competitividade do candidato Jair Bolsonaro (PSL). Ademais, a decisão do Copom – Comitê de Política Monetária – de manter a taxa Selic em 6,50% ao ano, que era amplamente esperado pelos agentes, teve como destaque o comunicado que se seguiu. O diretores do Banco Central sinalizaram que podem elevar os juros em breve caso o cenário econômico piore.

Bolsa: o cenário externo melhor e a nova pesquisa Datafolha mostrando a manutenção da competitividade do candidato Jair Bolsonaro (considerado de direita pelos agentes financeiros na corrida presidencial) tendem a impulsionar a Bovespa no dia.
Juros: o contexto político indicando ainda bastante incerteza e comunicado do Copom sinalizando a possibilidade de elevar a taxa Selic caso o cenário econômico deteriore tendem a elevar moderadamente os juros futuros (isso tende a implicar, no dia, em alta nos custos de captação e aplicação dos bancos).
Dólar: a recente escalada de alta do dólar frente ao real, cenário eleitoral mostrando as chances de um candidato de direita (considerado pelos mercados) vencer as eleições presidenciais e indicação pelo Copom de que pode elevar a taxa Selic, caso o cenário piore, estão motivando a venda da divisa norte-americana internamente. Assim, espera-se que o real aprecie ante a moeda Yankee.

Esta publicação foi produzida pela GEREI – Gerência de Relações com Investidores, e tem caráter primordialmente informativo. As opiniões e informações contidas neste relatório são estimativas referentes à data do informativo e foram elaboradas com base em dados de fontes, em princípio, confiáveis e de boa-fé, porém, não há nenhuma garantia expressa ou implícita, sobre sua exatidão. Assim, a DIRFI/GEREI não se responsabiliza por qualquer risco, perda direta ou indireta que seja consequência de imprecisão contida no relatório ou da utilização de seu conteúdo, bem como não configura qualquer garantia de rentabilidade. Todas as perspectivas de mercado derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas tempestivamente sem aviso prévio, por conta de mudanças que possam afetar as estimativas fornecidas pela área. Ressaltamos que este trabalho não constitui nenhuma oferta de venda ou solicitação para compra de quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Elaboração: DIRFI/GEREI. Fontes: AE Broadcast, BACEN, IBGE, FGV e LCA Consultores.